Reabilitação Uroginecológica

Reabilitação Uroginecológica

Reabilitação Uroginecológica

Conhecida popularmente como perda involuntária de urina, a incontinência urinária é definida como a queixa de perda involuntária de urina durante um ato comum que demanda esforço físico, como espirro, tosse, rir, pular, correr etc.

A incontinência urinária é considerada pela Organização Mundial de Saúde como um problema de saúde pública, esta patologia atinge homens e mulheres e, assim como a incontinência anal, os prolapsos e as disfunções sexuais, tem grande impacto negativo na qualidade de vida.

Antigamente, estas patologias eram vistas como consequência natural da idade e as pessoas se adaptavam às mudanças por elas impostas: aderiam ao uso de fraldas, diminuíam as atividades físicas e sexuais, evitavam o convívio social e acabavam por isolar-se.

A sociedade moderna e o aumento da expectativa de vida fizeram com que as pessoas se preocupassem com a qualidade de vida e o bem-estar procurando soluções práticas para seus problemas.

Como a perda involuntária de urina pode ocorrer?
Pode ocorrer de forma transitória, geralmente associada a fatores como uso de fármacos, infecções urinárias, constipação ou problemas de deficiência hormonal, desaparecendo após o tratamento da causa subjacente. Há a possibilidade de ocorrer, no entanto, de forma persistente ou até definitiva, com instalação e piora progressivas.

Quando a incontinência urinária pode aparecer?
Nas mulheres, na maioria das vezes aparece após o parto, histerectomia ou mesmo após a ocorrência de outros traumas ou cirurgias na região pélvica.
No caso dos homens, ocorre principalmente após cirurgia de prostatectomia.

O que é Reabilitação Uroginecológica?

É um tratamento não invasivo e eficaz, direcionado às disfunções do períneo e que objetiva tanto o tratamento quanto a prevenção.

São exercícios para o fortalecimento dos músculos do assoalho pélvico, pois a melhora da força e da função desta musculatura favorece uma contração consciente e efetiva nos momentos de aumento da pressão intra-abdominal, evitando assim as perdas urinárias.

Como os exercícios de reabilitação do assoalho pélvico têm apresentado resultados expressivos para a melhora dos sintomas de incontinência urinária em até 85% dos casos, este tipo de terapia é fortemente recomendado como uma forma de abordagem inicial, dependendo do tipo e da severidade da incontinência urinária.

Unidades