Pneumologista do Centro de Medicina do Sono HCor dá dicas   para combater a insônia e melhorar a qualidade do sono

Insônia pode ser combatida por meio de mudanças de hábitos, que vão desde manter uma rotina de horário para deitar e se levantar, até controlar os pensamentos e estímulos que dificultam o sono

Nos dias de hoje, as pessoas estão cada vez mais preocupadas e ansiosas e, com isto, demoram a pegar no sono. Acordar durante a noite ou sentir que o sono não foi reparador são alguns dos sinais que sugerem o diagnóstico de insônia. Mais de 40% da população, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) sofrem de insônia. Estima-se que um a cada cinco adultos sofram com esse distúrbio.

Para o Dr. Pedro Genta, pneumologista do Centro de Medicina do Sono do HCor – Hospital do Coração, em São Paulo, os adultos precisam ter um sono continuo entre sete e oito horas diariamente. “Quando uma noite de sono não é boa, o cansaço e a irritabilidade costumam aparecer. Podem ainda ocasionar prejuízos das atividades diárias, com dificuldades de rendimento e concentração”, justifica Genta.

Dificuldades para começar e para voltar a dormir, além da sensação de não ter tido uma boa noite de sono, são os sintomas mais comuns de insônia. “Indivíduos com insônia costumam estar com a mente sempre ativa, pensando em assuntos do dia a dia durante a noite. Isso compromete as noites de sono”, explica o pneumologista do HCor.

Dicas do Centro de Medicina do Sono do HCor para ter uma boa noite de sono e combater a insônia:

Mantenha o seu quarto silencioso, com temperatura confortável e totalmente escuro. Desligue ou cubra qualquer fonte luminosa no quarto e desligue o alerta de mensagens do celular;

Não leve para a cama tablets, celulares e computadores;

Não assista TV no quarto. Preserve o ambiente do quarto para o sono;

Evite bebida alcoólica e cafeinadas por pelo menos seis horas antes de dormir;

Realize refeições leves à noite, de preferência no mínimo duas horas antes de dormir;

Mantenha uma rotina de horários para se se deitar e levantar;

Não fique na cama sem sono. Após aproximadamente 15 minutos sem dormir, levante-se e vá para outro ambiente. Leia um livro ou revista para distrair e espere o sono para voltar para a cama;

Jamais olhe para o relógio caso acordar à noite. Checar a hora apenas o deixará frustrado e ainda mais alerta;

Sintomas como ronco, pausas respiratórias, inquietação e movimentação excessiva das pernas, por exemplo, são indicadores de doenças que prejudicam o sono. A apneia do sono e a síndrome de pernas inquietas são males comuns que costumam atrapalhar a qualidade do sono. “Por isso, discuta as características do seu sono com o médico e, havendo necessidade, procure um profissional em Medicina do Sono para realizar o diagnóstico e tratamento de possíveis enfermidades”, finaliza Dr. Genta.

Centro de Medicina do Sono HCor

A atuação é por meio da integração de diversas áreas sob a chancela do serviço de pneumologia. Desde 2009, o Centro de Medicina do Sono do HCor é destinado ao diagnóstico e tratamento dos distúrbios do sono, como a apneia obstrutiva e a insônia, doenças com alta prevalência na população adulta e que afeta a qualidade de vida tanto do paciente quanto das pessoas de seu convívio.

O Centro de Medicina do Sono do HCor conta com médicos certificados em Medicina do Sono e com equipamentos de última geração para a investigação de diversas patologias do sono.