• Uso de anticoncepcional sem orientação aumenta os riscos de doenças cardiovasculares | HCor | Hospital do Coração
    Uso de anticoncepcional sem orientação aumenta os riscos de   doenças cardiovasculares

    Uso de anticoncepcional sem orientação aumenta os riscos de doenças cardiovasculares

    Os riscos aumentam em até cinco vezes para a paciente cardiopata, especialmente se ela for diabética, tabagista, hipertensa ou obesa quando usa anticoncepcional não indicado por um médico

    Os contraceptivos costumam ser compostos de estrógeno e progesterona e indicados para evitar gravidez, diminuir a TPM (Tensão Pré Menstrual) e para controlar o crescimento de miomas no útero. O problema acontece quando a mulher usa anticoncepcional sem recomendação médica, mesmo quando ocorre um intervalo no uso da medicação e depois a mulher reinicia o tratamento.

    Para o Dr. Francis Helber, ginecologista do HCor, Hospital do Coração, em São Paulo, é de suma importância, um profissional qualificado indicar a medicação ideal para a paciente. “O risco de AVC, infarto, parada cardíaca e até de trombose pode acontecer com mais facilidade, caso não ocorra indicação medicamentosa correta à paciente. O tratamento deve ser individualizado para cada mulher”, explica o ginecologista.

    Para o cardiologista e clínico geral do HCor, Dr. Abrão Cury, o sangue entra em estado de hipercoagulabilidade – quando a espessura do sangue fica mais grossa e então os riscos de trombose e o AVC aumentam. “Deve-se considerar possíveis fatores de risco, principalmente para uma cardiopata, especialmente também se ela for hipertensa, tabagista, diabética, ou obesa. Nesses casos, o risco de infarto é ainda maior”, comenta Dr. Cury, do HCor.

    Embora 27% das brasileiras, em idade fértil usem anticoncepcionais e 100 milhões de mulheres no mundo, segundo dados da FEBRASGO – Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia há outras medidas contraceptivas. O DIU – que é colocado no útero da paciente – possui dois tipos: DIU de cobre, que não libera hormônio e a necessidade de troca é a cada década, e o DIU Mirena, cuja necessidade de troca é a cada cinco anos e libera hormônio, além de outros métodos.

    “O preservativo é uma das opções de contraceptivos, já que previne doenças sexualmente transmissíveis, evita gravidez indesejada e não há hormônio sendo liberado, que pode ser prejudicial à saúde de algumas mulheres”, esclarece Dr. Helber, do HCor. É realizada uma avaliação da paciente para considerar possíveis fatores de risco e então recomendar o melhor método e medicação para a mulher.

    O risco de trombose, entre 25 e 35 anos de idade representa 30 casos para 100 mil pessoas, segundo dados da SBACV (Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular) e para tratamento de miomas é receitado anticoncepcional, mas dependo do caso a cirurgia é indicada. “Uma mulher de 50 anos, que já tem filhos, dependendo do caso, é indicado a histerectomia – retirada parcial ou total do útero -, assim o risco de trombose pode diminuir, além do ganho de qualidade de vida”, esclarece o ginecologista.

    A paciente, juntamente com o médico precisa encontrar o método anticoncepcional ideal e ser acompanhada durante o uso dessas medicações. “Ter o estilo de vida saudável, com alimentação balanceada, atividade física regular e evitar a ingestão de bebida alcoólica e evitar o tabagismo ajudam a diminuir as chances de AVC, infarto e trombose. Além da realização de check-up cardiológico anual”, finalizam o ginecologista e o cardiologista do HCor.

    Sobre o Clinic Check-Up HCor – Hospital do Coração

    O Clinic Check-Up previne e identifica possíveis patologias por meio de um mapeamento completo da saúde do paciente. É um serviço personalizado, que leva em conta o histórico pessoal, hábitos de vida e antecedentes familiares, garantindo assim o diagnóstico preciso e gerando orientações adequadas para uma da melhoria da qualidade de vida.

    O paciente passa por consulta clínica com um cardiologista e é avaliado por uma equipe multidisciplinar, composta de nutricionista, fisiatra, urologista ou ginecologista, oftalmologista, dermatologista, além de exames de imagem e análises laboratoriais.

    A proposta do HCor é realizar um check-up individualizado, moderno e eficaz, por meio da aplicação dos exames necessários para uma avaliação clínica geral. O programa é realizado pela manhã, com duração média de 6 horas.

    Unidades