Gratidão por uma nova vida

Após quatro cirurgias de alta complexidade, o ex-paciente Fabrício Seixas decidiu expressar seu agradecimento promovendo eventos sociais para a Cardiopediatria do HCor

No ano passado, a Cardiopediatria do HCor recebeu a visita de um Papai Noel diferente.100 Anos Sanatório Sírio Aos 33 anos, o ex-paciente Fabrício Seixas, que nasceu com uma cardiopatia congênita e passou por quatro cirurgias ao longo da vida, decidiu retribuir o atendimento humanizado que recebeu da instituição levando alegria ao setor. “Decidi me vestir de Papai Noel para fazer a entrega dos presentes. Foi uma sensação inexplicável, pois já estive no lugar daquelas crianças”, conta.

Diagnosticado com uma patologia congênita, Fabrício passou pela primeira cirurgia com 50 dias de vida. Dois dias antes teve uma parada cardiorrespiratória, que afetou sua coordenação motora. “Desde pequeno minha rotina era fisioterapia, terapia ocupacional, fonoaudióloga, natação e escola”, afirma Fabrício, que mesmo com dificuldade sempre levou uma vida normal. “Ele é um exemplo de superação e tem uma cabeça fantástica. Se tem alguma dificuldade, trabalha, faz tudo para se recuperar. Além disso, ainda se preocupa com o próximo”, diz a cardiologista clínica do HCor, Dra. Maria Helena Abib, que o acompanha desde bebê.

Aos 15 anos, foi submetido a uma nova cirurgia por causa de uma estenose pulmonar (obstrução do fluxo sanguíneo do ventrículo direito do coração para a artéria pulmonar). O problema reapareceu aos 20 anos, quando passou pela terceira intervenção. Aos 30 anos, um aneurisma na aorta o levou à quarta operação. “Todas as cirurgias foram com a família Jatene, as duas primeiras com o Dr. Adib, a terceira com ele e o filho Dr. Fábio e a última com o Dr. Marcelo Jatene. Eu falo que o Dr. Adib Jatene é meu segundo pai. Quando ele faleceu, fiquei muito triste”, relembra o ex-paciente.

“É um privilégio ter participado do processo de tratamento do Fabrício, que sempre demonstrou otimismo e confiança de que tudo ficaria bem, nos dando tranquilidade em oferecer o melhor possível para ele. Sua dedicação e atuação aos que necessitam aquecem nosso coração e nos ensinam como superar os problemas e canalizar energia em benefício de quem precisa”, afirma o cirurgião cardíaco do HCor, Dr. Marcelo Jatene.

Fabrício faz corrida de rua, surfa, pratica pilates e até já pulou de paraquedas. Como sempre quis ser atleta, mas não podia competir, acabou realizando seu sonho ao conduzir a tocha olímpica em 2016, em Santos. “O esporte me ensinou a superar desafios, a ser mais forte e com isso trouxe lições para a vida inteira”, diz Fabrício, que também realiza palestras sobre sua experiência em empresas e universidades.

Atitudes filantrópicas

Além de alegrar a rotina dos pequenos pacientes, Fabrício também criou ações para impulsionar doações para a Cardiopediatria do HCor, como a Pizza do Coração, junto com um restaurante em Santos, onde mora, que reverteu 50% das vendas em um dia para o setor, que atende, por meio do serviço de filantropia (PROADI-SUS), crianças com cardiopatias de alta complexidade egressas de várias regiões do País. Ainda como contribuição, promoveu também uma rifa da camisa do time do Santos autografada pelos jogadores. “Gosto de desafios e queria fazer alguma coisa para ajudar, da mesma forma que fui ajudado pelo HCor”, afirma.