×

HCor Explica / Outras

Doença renal crônica: um perigo para quem tem diabetes e pressão alta

Doença silenciosa afeta principalmente diabéticos, pessoas com pressão alta e pacientes acima de 50 anos sendo necessário a realização de exames de sangue e urina de forma periódica para acompanhar o estado dos rins.

Nem todo mundo sabe, mas os rins são órgãos pares, responsáveis por filtrar o sangue de escórias ou toxinas que são produzidas diariamente pelo nosso organismo como resultado da nossa alimentação. Além da filtração do nosso sangue, os rins também são fundamentais porque produzem hormônios como a eritropoietina, que estimula a medula óssea a produzir os glóbulos vermelhos, e a renina, que controla a pressão arterial do nossos organismo.

São também responsáveis pela produção da vitamina D ativa que regula o metabolismo ósseo e o equilíbrio do cálcio e do fósforo no corpo. Além disso, são eles que mantêm o sangue com o pH neutro.

Sendo assim, fica fácil imaginar que quando eles não estão saudáveis, todo o organismo sofre. A doença mais comum desses órgãos é a doença renal crônica, que atinge 10% da população mundial.

É uma doença progressiva, causada principalmente pela diabetes mellitus e a pressão alta (hipertensão arterial), quando não são bem cuidadas ao longo do tempo.

Para saber mais, assista à playlist HCor Explica sobre Doença renal abaixo:

“A doença renal crônica afeta aos rins e leva a uma perda progressiva e gradual das suas funções, até o ponto que a disfunção é tamanha que a pessoa precisa fazer uma terapia de substituição renal. Essa terapia pode ser a diálise ou o transplante do rim. Uma coisa importante é que essas doenças, quando afetam os rins e levam à doença renal crônica, afetam ambos os rins”, afirma a Dra. Leda Lotaif, nefrologista do HCor.


Doença silenciosa: sintomas de doença renal crônica

Na grande maioria dos casos, a doença renal crônica é assintomática ou muito pouco sintomática, sendo considerada uma doença silenciosa. Assim, se o indivíduo não faz nenhum tipo de exame de sangue, exame de urina e ultrassom, muitas vezes, a doença passa despercebida e não é incomum que o diagnóstico da doença aconteça já em uma fase extremamente avançada, quando aquele indivíduo necessita fazer diálise ou transplante de rim.

Acho interessante frisar que são poucos os sinais da doença. Por isso, a gente sempre orienta que as pessoas de grupo de risco para doença renal crônica façam exames e perguntem ao seu médico se elas têm problemas nos rins

orienta a nefrologista do HCor.

AAs pessoas nos grupos de risco são os diabéticos ou pessoas com tendência a diabetes, pacientes portadores de pressão alta, pacientes que têm idade superior a 50 anos, os que têm obesidade, cardiopatia e também os indivíduos que tenham caso de doença renal crônica na família. “Então, filhos de pais ou avós ou tios com doença renal devem sempre fazer um check-up para verificar se não têm a doença de rim”.

Os exames que indicam a doença são: o exame de creatinina no sangue, que é um marcador da função renal; o exame de urina tipo 1; e o ultrassom dos rins e das vias urinárias.


Exame de urina

A Sociedade Brasileira de Nefrologia defende que a creatinina sérica e a pesquisa de proteína na urina façam parte dos exames médicos anuais.


Como funciona o rim?

Função dos rins

1 – A função dos rins é filtrar o sangue, removendo toxinas produzidas diariamente pelo corpo (ureia, creatinina, ácido úrico) e substâncias exógenas (medicamentos). Produzem também hormônios responsáveis por controlar a pressão arterial e a produção dos glóbulos vermelhos pela medula óssea, evitando a anemia.

2 – O sangue chega aos rins pelas artérias renais, que dentro dos rins se dividem em vasos cada vez menores, até formarem um emaranhado de capilares no glomérulo. O néfron é a unidade funcional de filtração do sangue; e cada rim tem em média 1 milhão de néfrons, sendo esses os filtros do sangue.

3 – Depois de circular por numerosos vasos, o sangue sai livre de toxinas pelas veias renais e volta para o coração; e a urina produzida desce pelos ureteres que desembocam na bexiga e é eliminada pela uretra.

4 – Estima-se que, em 24 horas, sejam filtrados cerca de 180 litros de sangue, formando 1 a 2 litros de urina por dia, o que significa que aproximadamente 99% do filtrado glomerular é reabsorvido ao longo dos túbulos néfricos e do ducto coletor.


Diagnóstico da doença renal crônica

Muitas vezes, a pessoa que é diagnosticada com uma doença nos rins procura o médico porque está cansada, desanimada, sentindo muito sono. “Muitas vezes, ela está investigando anemia e acaba descobrindo que tem uma doença renal crônica. Isso ocorre porque o paciente que tem doença renal crônica pode apresentar anemia como um dos primeiros sintomas, porque a doença faz com que haja a redução da produção da eritropoetina pelo rim doente e, consequentemente, essa eritropoetina que deveria estimular a medula óssea a produzir os glóbulos vermelhos do sangue não vai estimular e, então, a pessoa tem anemia” explica a nefrologista do HCor.

A Dra. Leda Lotaif diz também que é comum, ao diagnosticar um paciente com doença renal, ouvir dele que o seu rim está funcionando muito bem, que há vontade de urinar inclusive à noite. “É comum alegar que urina bastante – que ela é clarinha, cor de água, transparente –, acreditando que esses são sinais de que está tudo bem com o órgão. Isso é um mito. Quando você passa uma noite inteira sem urinar e no dia seguinte, quando levanta, tem a urina de cor mais amarela escura ou alaranjada, com odor mais forte, porque aquele rim passou a noite inteira concentrando a urina, reabsorvendo água e de manhã está com uma quantidade mais concentrada de toxinas. A pessoa que levanta muito à noite para ir ao banheiro, não consegue concentrar a urina. Então, muitas vezes, a pessoa que tem insuficiência renal crônica, acaba até urinando mais que o indivíduo que tem um rim funcionando bem”, esclarece.

Diagnóstico da doença renal crônica

– Você tem pressão alta?
– Você sofre de diabetes mellitus?
– Há pessoas com doença renal crônica na sua família?
– Você está acima do peso ideal?
– Você fuma?
– Você tem mais de 50 anos?
– Você tem problema no coração ou nos vasos das pernas (doença cardiovascular)?

Respondeu sim para algumas dessas perguntas? Procure um médico.


Os principais sintomas da doença renal são:

Sintomas da doença renal crônica - Cansaço

Cansaço

Sintomas da doença renal crônica - Falta de apetite

Falta de apetite

Sintomas da doença renal crônica - Palidez cutânea

Palidez cutânea

Sintomas da doença renal crônica - Pressão alta

Aumento da
pressão Arterial

Sintomas da doença renal crônica - Alteração dos hábitos urinários

Alteração dos
hábitos urinários
(como urinar mais
à noite e urina com
sangue ou espumosa)

Sintomas da doença renal crônica - Inchaço nas pernas

Inchaços
nas pernas


Tratamentos para doença renal crônica

Tratamento da doença renal crônica

O tratamento da doença renal depende da causa. Como a principal causa é a diabetes e a pressão alta, é fundamental controlar a pressão arterial – todo dia, toda noite, 24 horas por dia, 365 dias por ano –, porque quando está descontrolada, a vai bombardeando os rins, que são órgãos alvos da pressão alta, e eles vão estragando e perdendo a função.

A diabetes é a mesma coisa. A partir do momento que se descobre a predisposição ou já tem a doença instalada, é fundamental manter um controle rígido, com o exame da glicemia bem controlado, e esse controle deve ser extremamente rígido ao longo dos anos, porque senão essas doenças acabam afetando os rins a longo prazo.

“A doença renal crônica demora 10, 15, 20 anos pra evoluir. Mas, uma vez que se instala, o tratamento com nefrologista é fundamental visando estacionar a doença renal ou retardar a sua evolução ao longo dos anos. Na sua fase avançada as opções são o transplante renal ou a diálise, que são terapias de substituição renal. Na hemodiálise o sangue passa por um rim artificial instalado numa máquina, onde é filtrado e são eliminados tanto as toxinas quanto o excesso de líquido que se acumulam, mantendo, assim, o equilíbrio hidroeletrolítico e ácido-básico do organismo”, conta a médica.

Por fim, a nefrologista do HCor diz que os rins de uma pessoa normal funcionam bem e não é preciso fazer muita coisa para que eles funcionem assim; porém, é preciso tomar cuidado para não causar dano.

“Não causar dano significa comer saudável, evitar comer muito sal. Então, não devemos comer muitos embutidos, enlatados, comidas industrializadas, porque o conservante de todas essas comidas é o sal. A gente deve comer o máximo de coisas naturais, como verduras, frutas, legumes, evitar muito carboidrato e evitar a obesidade, porque ela acaba levando a uma maior predisposição para a diabetes”, alerta a especialista que completa: “evitar o tabagismo também é importante, porque ele causa vasoconstrição e, em um paciente portador de doença renal crônica, o tabagismo acelera a evolução da doença. Praticar atividade física é fundamental e beber bastante líquido, de preferência água”, finaliza.


Infográfico - Doença Renal

Saiba mais sobre Doença renal

Para obter mais informações sobre doença renal, nós preparamos um material exclusivo para você.
Baixe o infográficoCompartilhe com seus amigos