Avaliação multidisciplinar em medicina esportiva

Novas tecnologias e avaliação multidisciplinar auxiliam atletas profissionais e amadores a prevenir problemas cardíacos e lesões, antes da prática de atividades físicas.

CiclistaDe acordo com o último levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 37,9% dos brasileiros com idade a partir de 15 anos praticam alguma atividade física, cerca de 61,3 milhões de pessoas. Os números são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), feita entre 2014 e 2015. “As pessoas estão mais conscientes da necessidade de praticarem atividade física. Percebemos um aumento de 2% a 3% ao ano na procura. Paralelo a isso, as lesões aumentam muito pela falta de orientação e avaliação médica, principalmente antes de iniciar a atividade”, comenta o Dr. Nabil Ghorayeb, cardiologista e médico do esporte do HCor.

Os benefícios da atividade física são inquestionáveis e estão amplamente documentados na literatura médica. Melhora resistência cardiovascular, os sistemas imunológico e respiratório, reduz riscos de doenças como diabetes, pressão alta, osteoporose, além de proporcionar uma sensação de bem-estar. Mas antes de começar a suar a camisa em busca destes aliados da boa saúde são necessários alguns cuidados essenciais.

O Instituto do Joelho foi um serviço pioneiro na área de ortopedia, pois concilia o que há de mais avançado em termos de equipamentos com profissionais qualificados

Dr. Gilberto Camanho, coordenador da Ortopedia do HCor

“Uma avaliação cardiológica é o primeiro passo para quem pretende se exercitar, principalmente para os sedentários e os “atletas de fim de semana”, acrescenta Dr. Ghorayeb. Sem orientação médica e planejamento das atividades, há o risco de sobrecarregar tanto o sistema cardiovascular quanto a parte musculoesquelética.

Referência no atendimento multidisciplinar de atletas profissionais e amadores, o HCor oferece atendimento integrado em Medicina Esportiva, contemplando as áreas de Ortopedia, Cardiologia, Fisiologia, entre outras especialidades afins. “Hoje, com o avanço da medicina diagnóstica é possível identificar precocemente tanto os riscos de doenças cardíacas quanto de lesões ortopédicas”, afirma Dr. Abdalla Skaf, coordenador do Serviço de Diagnóstico por Imagem do HCor (veja entrevista aqui). Inicialmente, exames mais convencionais como hemograma, eletrocardiograma, ecocardiograma e teste ergométrico já fornecem uma prévia de como está a saúde cardíaca. Vencida esta etapa de análises, recomenda-se mais uma avaliação antes de se aventurar pelo circuito esportivo da cidade: articulações e potência muscular.

Neste quesito, a Ortopedia do HCor desponta em excelência. Por meio de uma análise personalizada envolvendo equipamentos isocinéticos para avaliar desequilíbrios musculares e também técnicas inéditas que ajudam a prevenir lesões em articulações, o paciente consegue planejar a prática esportiva de maneira mais segura.

A evolução da ortopedia tornou-se uma grande aliada não só dos esportistas lesionados mas também de idosos que sofrem com o desgaste das articulações. Entre as mais recentes inovações na especialidade podemos citar procedimentos minimamente invasivos como a artroscopia como recurso diagnóstico e cirúrgico, os implantes para substituição de articulações, o uso de banco de tecidos e os sistemas de fixação para a coluna. “Estes itens trouxeram grande avanço na terapêutica de graves lesões articulares, que são o maior problema da especialidade, além de possibilitarem uma melhor estabilização da coluna vertebral, problema que afeta milhares de pessoas”, afirma o coordenador da Ortopedia do HCor, Dr. Gilberto Camanho, que iniciou o serviço de Medicina Esportiva no hospital, com equipes multidisciplinares para atendimento de coluna, ombro e cotovelo, mão, quadril, joelho, pé e tornozelo, além da ortopedia pediátrica.

Instituto do Joelho

Jogador de futebol
Referência nacional e internacional em tratamento de lesões ligamentares, o Instituto do Joelho HCor auxilia atletas profissionais e amadores de diversas modalidades esportivas a retornarem às atividades depois de sofrerem com os mais variados tipos de contusões.

“Os problemas mais frequentes que chegam para tratamento são as lesões do ligamento. São casos que, normalmente, dependem de correções cirúrgicas e com o aprimoramento das técnicas conseguimos resolver o problema e preparar o retorno do paciente às atividades físicas em até seis meses, em média”, comenta o Dr. Rene Abdalla, diretor médico do Instituto do Joelho. Já para casos menos complexos como lesões no menisco, que registram segunda maior incidência, a recuperação é mais rápida, entre 5 e 6 semanas.
Modalidades de lutas
Entre os esportes, o futebol ainda ostenta a triste marca de “campeão de lesões”. Segundo levantamento do Instituto do Joelho, a atividade mais praticada em campos e quadras do país é responsável por 55% das lesões ligamentares, seguido respectivamente por artes marciais, basquete, treinos em academia (crossfit, exercícios aeróbicos de alta intensidade e musculação) e tênis.

Este batalhão de atletas que se lesionam conta com uma infraestrutura de ponta na área de medicina diagnóstica e reabilitação. “O HCor é o único hospital do país que possui a ressonância magnética PKTD Porto Knee Testing Device, que realiza uma análise dinâmica de algumas articulações, principalmente de ligamentos do joelho, e quantifica a frouxidão, rotação ou lesão de ligamentos, além de auxiliar na tomada de decisão do tratamento”, destaca Dr. Rene Abdalla.

“Também somos pioneiros na realização do teste funcional Sportsmetrics®, que avalia a condição dos joelhos de quem deseja iniciar algum tipo de atividade física. Esse teste é fundamental para prevenir lesões e esforço demasiado na prática esportiva”, revela Dr. Rene.

Certificação internacional de qualidade em Ortopedia

Certificação internacional de qualidade em Ortopedia

Embora a evolução da tecnologia na área de Medicina Esportiva tenha avançado de forma expressiva nas últimas décadas, houve um crescimento de lesões ligamentares e de articulações. Para atender este contingente de esportistas e atletas, o HCor criou, há 20 anos, o serviço de Ortopedia. O setor cresceu rapidamente e tornou-se referência na especialidade. Agora, o serviço acaba de conquistar a certificação internacional de qualidade para Artroplastia Total de Quadril e Artroplastia Total de Joelho, concedida pela Joint Commission International (JCI), uma das organizações mais renomadas do mundo na área de Acreditação em serviços de saúde. Cerca de 80% das próteses são colocadas em idosos, uma vez que o desgaste biológico avança conforme a idade. “Ter um programa clínico específico para essas artroplastias é fundamental para atender justamente uma demanda futura que irá necessitar de serviços especializados e adaptados pra esse perfil de cirurgia. Principalmente por conta do envelhecimento da população, além das lesões articulares em virtude de atividades esportivas e obesidade”, destaca o Dr. Márcio de Castro Ferreira, ortopedista e coordenador técnico do programa clínico de artroplastias do HCor.

Cirurgia da mão

Outra especialidade que vem registrando importantes avanços é a cirurgia da mão. “Na área da traumatologia relacionada à mão temos disponíveis materiais para fixação de fraturas e reparo de lesões de partes moles, como ligamentos e tendões, que foram concebidos de acordo com as dimensões dos pequenos ossos da mão e punho, e que permitem a reabilitação precoce do paciente encurtando o período de recuperação”, explica Dr. Marcelo Rosa de Rezende, especialista em Cirurgia da Mão e Microcirurgia do HCor.

O procedimento de microcirurgia reconstrutiva utiliza microscópio e instrumental adequado para manipular estruturas extremamente delicadas. Com essa técnica é possível reparar estruturas atingidas por cortes ou lesões de nervos, reconstruir perdas do revestimento cutâneo de alguns segmentos do corpo e promover reimplantes na mão e região do punho.

 

“Os exames pré-temporada são extremamente importantes, e hoje obrigatórios, para todos os atletas de alto rendimento. Desta forma evitamos situações que coloquem em risco a saúde e até a vida dos participantes, muitas vezes até em situações de esporte recreativo, que sem dúvida pode impor algum risco quando praticado sem acompanhamento de profissionais da área e uma avaliação médica adequada“

Dr. José Sanchez,
médico do São Paulo Futebol Clube

“Os problemas mais frequentes que chegam para tratamento são as lesões do ligamento. São casos que, normalmente, dependem de correções cirúrgicas e com o aprimoramento das técnicas conseguimos resolver o problema e preparar o retorno do paciente às atividades físicas em até seis meses, em média“

Dr. Rene Abdalla,
diretor médico do Instituto do Joelho

“Avaliamos aproximadamente 120 atletas entre o fim do ano passado e início deste ano. Por meio de exames como consulta clínica especializada, eletrocardiograma, teste ergométrico ou ergoespirométrico, ecocardiograma, além das análises laboratoriais, é possível avaliar as adaptações fisiológicas que em alguns casos se confundem com graves cardiopatias nos atletas. Assim podemos ter um diagnóstico claro da saúde cardíaca destes jogadores. Afinal são expostos a um esforço físico máximo durante 90 minutos de uma partida“

Dr. Nabil Ghorayeb,
cardiologista e médico do esporte do HCor

Destaque em check-up de atletas e esportistas

Recursos de medicina esportiva

Desde 2004, o serviço de Medicina Esportiva do HCor recebe atletas de diversas equipes e modalidades, que realizam uma série de exames clínicos e cardiológicos antes do início de cada temporada. A Medicina Esportiva é tão bem conceituada que em 2016 o hospital recebeu a equipe chinesa do Tianjin Quanjian, então comandada por Vanderlei Luxemburgo e com os brasileiros Jadson, Geuvânio e Luís Fabiano no time. O HCor também realizou parceria com o Comitê Olímpico do Brasil (COB), para avaliar atletas que participaram dos Jogos Pan-Americanos do Rio de Janeiro (2007) e dos Jogos Olímpicos de Londres (2012). Neste ano, passaram por exames as equipes de futebol do São Paulo, Santos e Corinthians. Foi a primeira vez que um hospital recebeu três dos mais importantes times do País.