×

HCor Explica / Neurologia

Epilepsia: tratamento adequado pode evitar crises epilépticas

De acordo com o neurologista do HCor, cerca de 1% da população sofre com epilepsia e aproximadamente 70% dessas pessoas ficam livres de crises epilépticas caso façam o seu tratamento correto.

Imagine um curto circuito: impulsos elétricos comunicando-se de um lado com o outro até que acontece uma descarga anômala, desordenada e dessincronizada entre eles. É mais ou menos isso que acontece em nosso cérebro quando temos epilepsia, uma doença neurológica em que há perturbação da atividade das células nervosas no cérebro, resultando em um distúrbio de descoordenação dos sinais neurológicos.

De acordo com o Dr. Denis Bichuetti, neurologista do HCor, quando esse curto circuito é generalizado, ou seja, nos dois lados do cérebro, acontece a convulsão, popularmente conhecida como ataque epiléptico. A pessoa então cai de olhos abertos, fica roxa, espuma pela boca e tem contratura muscular involuntária de todos os músculos. Nesse processo, a pessoa fica mais ou menos um minuto inconsciente. “Na realidade, a crise epiléptica em si dura um minuto, a fase de contratura muscular, mas podem se passar de 15 minutos até 1 hora para a pessoa recobrar a consciência de forma completa” explica o neurologista do HCor.

Mas as convulsões nem sempre acontecem durante uma crise epiléptica. “Há casos em que essa dessincronização e essa descarga anormal limitam-se a um único lugar do cérebro, podendo provocar o que a gente chama de uma crise focal. Nesses casos, a contratura muscular pode se assemelhar a uma câimbra, em um braço ou uma perna, e a pessoa permanece acordada”, explica o neurologista.

Para saber mais, assista à playlist HCor Explica sobre Epilepsia abaixo:


Causas da Epilepsia

Ainda segundo o especialista, várias coisas podem causar a epilepsia. “Você tem síndromes genéticas provocando a epilepsia, que vêm desde a infância, que vêm da adolescência. Essas são as causas primárias. Mas existem também as causas que chamamos de secundárias: um tumor cerebral pode causar uma crise epiléptica, um AVC pode provocar um curto circuito e provocar uma crise, assim como doenças cerebrais, como, por exemplo, a meningite ou uma encefalite herpética pode provocar uma crise epiléptica”, explica.

Entram também nessa lista os traumas de crânio, que podem provocar uma crise no momento da batida ou futuro em decorrência de uma sequela, assim como medicamentos que podem provocar crises epilépticas e abusos de drogas, especialmente cocaína e bebidas alcoólicas, bem como a abstinência dessas substâncias.

“Algumas epilepsias são benignas e uma dose baixa de remédio é suficiente para tratar a pessoa. Para se ter ideia, estima-se que cerca de 0,5 a 1% de pessoas de uma população tenha epilepsia. Então, em uma empresa de mil funcionários é possível que 5 pessoas tenham epilepsia e elas estejam vivendo muito bem”, conta o neurologista.

Ainda de acordo com o especialista, 70% das pessoas com epilepsia ficam livres de crises com um medicamento.

Já para os portadores de estágios mais graves, o remédio contínuo torna-se uma necessidade durante toda a vida. Para quem tem crises frequentes de forma incontrolável, a intervenção cirúrgica pode ser indicada.

No entanto, é preciso ter em mente que nem toda perda de consciência, nem todo desmaio, nem toda câimbra é uma crise de epilepsia. O diagnóstico depende de uma entrevista entre médico e paciente e exames.

“Basicamente o médico conversa com o paciente analisando se o que está sendo relatado tem aspecto de crise. Muitas vezes, o paciente procura um neurologista porque alguém achou que era uma crise epiléptica, mas foi um desmaio simples causado por uma queda de pressão, por exemplo. Então, com o auxílio de um eletroencefalograma, um exame de imagem, uma tomografia ou uma ressonância, o médico consegue ter um diagnóstico mais preciso”, garante o neurologista.

Como ocorre uma crise epiléptica


Crise epiléptica

Presenciar uma crise epiléptica costuma deixar as pessoas sem saber ao certo como agir.

De acordo com o Dr. Bichuetti, ao notar uma pessoa tendo uma convulsão, a primeira coisa é amparar a pessoa, para que ela não bata com a cabeça no chão. “Se for possível, o ideal é deitá-la numa superfície acolchoada, se não for possível, ajoelhar do lado da pessoa e segurar a cabeça para que ela não a bata, surte o mesmo efeito”, aconselha o neurologista do HCor.

Ao contrário do que muitos imaginam, como se propaga na sabedoria popular, não se deve colocar objetos na boca: nada de panos e colheres e muito menos a própria mão. A mandíbula é muito forte, explica o especialista, então uma atitude como essa pode machucar quem tenta ajudar ou quebrar o dente da pessoa. Faz parte da crise epiléptica a pessoa espumar e ficar roxa. Essa falta de ar vai durar um minuto e vai passar. Então, uma vez que a crise cessou, a pessoa deve ser colocada de lado, porque, às vezes, ela vomita, e dessa forma ela não se engasga”. E se ela não acordar dentro de meia hora é necessário levá-la ao hospital.

Quem sabe que é epiléptico pode prevenir as crises fazendo uso correto do medicamento. Não ingerir bebidas alcoólicas, evitar o jejum prolongado e a privação de sono são fatores importantes para impedir casos futuros de crise epiléptica.

Vale destacar que, embora ainda gere grande consternação, a epilepsia é uma enfermidade como qualquer outra, tanto que no Brasil é permitido que portadores da doença tirem carteira de motorista profissional, desde que comprovem que estejam em tratamento adequado e sem crises há mais de seis meses. “É importante reduzir o preconceito: nem todo mundo vai ter uma crise atrás da outra e existe tratamentos adequados e eficazes”, completa o neurologista.


Crise epiléptica
Contratura muscular em uma crise epiléptica


Funcionamento do cérebro


Casos de tumor cerebral podem causar epilepsia

Saiba mais sobre a epilepsia

Para obter mais informações sobre a epilepsia, nós preparamos um material exclusivo para você.
Baixe o infográficoCompartilhe com seus amigos