Como enfrentar as dores da artrose

Em estágios mais leves, doença pode ser tratada com uma nova técnica de preenchimento da cartilagem

Como enfrentar as dores da artrose

Os joelhos são articulações fundamentais para o nosso equilíbrio. Ao longo da vida, naturalmente, as cartilagens que revestem as extremidades ósseas desta região se desgastam, causando dores intensas e incapacitantes, além da perda progressiva dos movimentos. Fatores genéticos, atividade física que exige impacto repetitivo, traumas e obesidade são os gatilhos que levam à artrose. Estima-se que cerca de 15 milhões de brasileiros acima de 60 anos sofrem com a doença.

A artrose é inevitável, mas, com um diagnóstico precoce, é possível garantir melhor qualidade de vida ao paciente. Ao menor sinal de dor, o ideal é consultar o médico. Mas como ocorre esse desgaste? Fazendo uma analogia, vamos imaginar que a cartilagem que reveste os ossos nas articulações tem uma certa espessura, como o “pneu de um carro”. Conforme o uso, essa espessura diminui, até chegar à “lona”, o que, na articulação, corresponde à degeneração da cartilagem até chegar ao osso. Neste estágio, a dor
fica mais forte e o quadro se agrava.

A artrose é inevitável, mas, com um diagnóstico precoce, é possível garantir melhor qualidade de vida ao paciente. Ao menor sinal de dor, o ideal é consultar o médico.

Um check-up preciso só é possível por meio da avaliação clínica individualizada de cada paciente, além de exames como radiografia, ressonância magnética, tomografia computadorizada e ultrassom. Já em estágios avançados, a estratégia terapêutica mais indicada é a intervenção cirúrgica. No HCor, por exemplo, são realizadas em média 150 cirurgias por ano de artroscopia (limpeza articular – retirada de fragmentos, pequenas lesões da cartilagem), osteotomia (cirurgias de alinhamento articular) e artroplastias (substituição das articulações com próteses), com excelentes resultados no tratamento da artrose.

Recentemente, uma nova técnica vinda dos Estados Unidos vem sendo realizada para casos leves, a subcondroplastia. “Consiste no preenchimento das áreas lesionadas com material  à base de fosfato de cálcio. Esta substância é injetada na linha logo abaixo da cartilagem. O procedimento é rápido e tem se mostrado eficaz por prolongar a evolução das articulações”, explica o coordenador da Ortopedia do HCor, Prof. Dr. Gilberto Luis Camanho.

Apesar de ser considerada uma doença da terceira idade, hoje já se sabe que os exercícios aeróbicos como a corrida, o ciclismo e a natação melhoram a saúde do coração e permitem que os músculos trabalhem de forma mais eficiente, protegendo os joelhos. Mas, antes de se aventurar, é preciso se preparar previamente com a ajuda profissional para evitar o risco de acelerar a degradação cartilaginosa e, consequentemente, a artrose precoce. “A avaliação médica com testes funcionais e de equilíbrio muscular são importantes. Além disso, fatores como a anatomia individual têm de ser analisados e bem orientados”, alerta Dr. Camanho.

Prevenção

Para prevenir a artrose é necessário adotar hábitos saudáveis como alimentação balanceada, controlando o peso que evita a sobrecarga nos joelhos, e praticando exercícios que contribuem para a prevenção da doença como caminhada, natação, ginástica e bicicleta.