×

HCor Explica / Cardiologia

Hipertensão: a doença silenciosa que afeta o coração

Cardiologista do HCor alerta sobre os cuidados necessários para quem têm pressão alta, doença que afeta mais de 30 milhões de brasileiros além de ser uma das principais causas de óbito por doenças cardiovasculares e AVCs.

Certamente, você conhece alguém com problema de hipertensão arterial. Afinal, trata-se de uma doença relativamente comum: 35% da população adulta brasileira é portadora da conhecida pressão alta. O grande problema é que 99,9% dos casos não apresentam sintoma nenhum. “A única condição de saber se tem ou não tem a hipertensão é medindo a pressão arterial”, conta o Dr. Celso Amodeo, cardiologista e especialista em hipertensão arterial do HCor.

Seja em casa, no consultório do médico ou na farmácia, fazer a medição com certa regularidade pode salvar sua vida. De acordo com o especialista,
para se entender o risco da hipertensão, é preciso atentar-se aos números.

São mais ou menos 300 mil óbitos por ano no Brasil por doença cardiovascular, infarto do miocárdio ou acidente vascular cerebral. “Dessas mortes, se a gente olhar o atestado de óbito, em 80% dos acidentes vasculares cerebrais e em 60% dos infartos agudos do miocárdio, estará escrito que o que levou a esse desfecho foi a hipertensão arterial. Não há dúvidas: ela é o principal fator de risco para doenças cardiovasculares. Ficar com nível de pressão elevado facilita o aparecimento dessas doenças cardiovasculares”, esclarece e completa: “A hipertensão é conhecida como o ‘inimigo silencioso’, porque ela destrói o nosso organismo, e você não sente nada, a não ser que procure identificar precocemente esse problema”.

Para saber mais, assista à playlist HCor Explica sobre Hipertensão abaixo:


Pressão sanguínea

PRESSÃO SANGUÍNEA é a pressão
exercida pelo sangue, bombeado pelo
coração, contra a parede das artérias.

Como funciona apressão sanguínea

12×8

É de conhecimento popular que ao medir a pressão, o ideal é conseguir a marca de 120 por 80, o popular 12×8, que chamamos de pressão normal.

Segundo o Dr. Amodeo, situações com valores entre 120×80 e 139×89 são chamadas de pré-hipertensão. “Na classificação americana, eles nomeiam como pressão elevada valores acima de 120-129 mmHg na pressão sistólica (pressão máxima) e abaixo de 80 mmHg na pressão diastólica (pressão mínima). Hipertensão estágio 1 são valores sistólicos entre 130 e 139 mmHg e diastólicos entre 80 e 89 mmHg. Estudos mostram que quem tem acima de 120×80 e abaixo de 140×90 tem de duas a três vezes mais risco de ter um evento cardiovascular do que aquele indivíduo que tem pressão abaixo de 120×80. Para nós, na classificação brasileira, dizemos que o indivíduo tem hipertensão acima de 140×90”.

O médico conta que é importante observar a pressão arterial ao longo das 24 horas de um dia. Isso porque tem pessoas que têm pressão normal durante o dia e anormal durante a noite e elas também vão precisar se tratar, já que são hipertensas à noite. “Tem gente que tem mais hipertensão no período da manhã, tem gente que tem mais no período da tarde, então, é preciso analisar diversos períodos. Mas, de modo geral, pela medida casual da pressão arterial (aquela feita dentro do consultório do médico), quem tem que acima de 140×90 se classifica como hipertenso”.

Pressão arterial






Medidor de pressão

Nesse caso, os números 12 e 8 correspondem, respectivamente, a 120 E 80 MILÍMETROS de mercúrio aferidos no manguito, aquela bombinha utilizada para medir a pressão arterial.

Termomêtro

Os milímetros de mercúrio (mmHg) são utilizados como MEDIDA DE PRESSÃO em diversas áreas, sendo que os primeiros medidores de pressão sanguínea utilizavam colunas contendo esse metal para realizar a medição.


Sístole e diástole

Os dois movimentos complementares do coração são chamados tecnicamente de 1 sístole (contração) e 2 diástole (dilatação) – daí, os dois números que medem a pressão serem denominados pressão sistólica (ou pressão máxima) e pressão diastólica (exercida sobre os vasos de resistências, arteríolas, no final do enchimento ventricular).

 


Prevenção

30 milhões de brasileiros possuem pressão alta

Existem muitas causas que podem levar à hipertensão, entre elas os fatores genéticos, ambientais e, claro, a interação de fatores genéticos com ambientais. “Tem um exemplo que eu sempre cito que é o problema do sal. A pessoa pode ter a predisposição genética para hipertensão e, em alguns casos, se houver uma educação alimentar com baixo conteúdo de sal essa pessoa pode passar pela vida e nem apresentar pressão arterial elevada. Existem problemas que levam à hipertensão e que não são causadas só pelo sal, que é sim um grande vilão. O sistema nervoso autônomo, por exemplo, produz adrenalina, catecolamina, uma série de hormônios que são vasos constritores e se, em determinadas situações, estiverem exacerbados, isso provoca o aumento de pressão arterial”, explica o cardiologista.

A pressão alta é uma doença de múltiplas causas. Diante disso, não é fácil determinar o que leva ao aumento da pressão arterial. Assim, uma vez instaurada a doença, o tratamento é baseado em múltiplos medicamentos que agem em diferentes partes do organismo.

No entanto, é preciso ter em mente que há também diversas maneiras de prevenir a hipertensão. “Primeiro ter um bom estilo de vida. Não engordar, fazer atividade física, comer pouco sal, não fumar, não ingerir álcool são as medidas mais importantes. Mas é importante também, e muita gente esquece, ter boa qualidade do sono. Quem não tem sono bom, quem tem apneia obstrutiva do sono, ao longo do tempo vai alterando o sistema neuro-humoral do sistema do controle da circulação e isso pode facilitar o aparecimento da hipertensão”, explica.

O médico alerta ainda que a hipertensão pode ter início no uso indiscriminado de alguns medicamentos, como anti-inflamatórios hormonais, pílula anticoncepcional e os sprays com vasoconstritores usados no nariz.

Um em cada quatro brasileiro possuí pressão alta

Cerca de
1 EM CADA
QUATRO

brasileiros já foi
diagnosticado
como
HIPERTENSO.

E nada de achar que apenas adultos podem ser vítimas dessa doença. Crianças e adolescentes também podem ter a hipertensão arterial. “Até os 3 anos de idade, a criança que tem hipertensão arterial geralmente tem um tipo de hipertensão arterial secundária. Para entender melhor: dos 35% de brasileiros que têm hipertensão, 90% a 95% têm o que a gente chama de hipertensão arterial primária, existe um fator genético que predispõe o aparecimento da doença, e essa hipertensão pode aparecer em qualquer faixa da vida. Geralmente é entre a segunda e terceira que ela aparece, mas as crianças de 10, 12 anos também podem ter. No jovem, a causa mais comum é o erro de estilo de vida. Sem dúvida nenhuma, a obesidade e o sedentarismo são os mais importantes fatores de risco para a hipertensão arterial, especialmente para as crianças nascidas em famílias de hipertensos”, finaliza o especialista.

Fique atento!

Escala de pressão sistólica e pressão diastólica


Como medir em casa

Existem dois tipos de aparelhos para aferir a pressão arterial: o manual, chamado de esfigmomanômetro, que é usado junto ao estetoscópio; e os aparelhos digitais. Independentemente do modelo escolhido, são indicados alguns cuidados:

Meça a pressão arterial no período da manhã enquanto em jejum

Meça no período da
manhã e em jejum

Não tome medicamentos antes de medir a pressão arterial

Não tome
medicamentos antes

Urine antes de medir a pressão arterial

Urine antes

Descanse antes de medir a pressão arterial

Descanse 5 minutos
antes de iniciar

Esteja sentado e evite cruzar as pernas quando for medir a pressão arterial

Esteja sentado e não
cruze as pernas

Evite falar enquanto a pressão é medida

Não fale durante
a medição

Medir pressão usando o braço esquerdo

Utilize sempre o
braço esquerdo

Evitar beber café antes de medir a pressão

Não tome café ou
álcool 30 minutos antes


Infográfico - Pressão Alta

Saiba mais sobre a Hipertensão

Para obter mais informações sobre a hipertensão, nós preparamos um material exclusivo para você.
Baixe o infográficoCompartilhe com seus amigos